terça-feira, 13 de agosto de 2013

O COMANDANTE DA GUARDA

Texto de Aloisio Guimarães

Uma das coisas boas que aconteceram comigo foi o Serviço Militar. Acho que todos os brasileiros deveriam passar por essa experiência. Foi no Exército, que “aprendi a ser homem e a ter caráter”. Disciplina e respeito à hierarquia eram (e acho que ainda são) as palavras de ordem. Pontualidade, fardamento impecavelmente engomado, coturno brilhando igual a catarro na parede, barba perfeitamente raspada...
O meu pai fazia questão que seus filhos fossem convocados, ao ponto de ir falar com o sargento para que não fôssemos dispensados, quando da seleção. Por conta disso, todos os quatros homens da família serviram ao Exército Brasileiro.
Servi na patente de Cabo - 2ª Categoria - no Tiro de Guerra 07-179, da minha cidade natal, Palmeira dos Índios, nos anos 70. Além de Cabo, eu era uma espécie de capataz do quartel, o “homem de confiança” do sargento Fireman, o nosso comandante.
O sargento Fireman era um sujeito boa praça. Baixinho, barrigudo (suava mais do que pano de cuscuz), branquelo, óculos "fundo de garrafa"... Era paraibano e veio comandar o Tiro de Guerra de Palmeira dos Índios sem trazer a família para a nossa cidade. Quando a “saudade apertava”, o que acontecia sempre, o sargento se mandava para a Paraíba e me deixava como encarregado geral do quartel. Nessas ocasiões, eu era o "Comandante Supremo". Como diz o ditado: casava e batizava!
Apresentado o cenário, vamos ao nosso causo:
Certo dia estava “Tirando guarda” (de prontidão, à noite, no quartel). Lá por volta da meia noite, mais ou menos, entra na sala, o meu futuro, e hoje ex-cunhado, Hélio Alves, que morava ali por perto.
- Diga aí, cara, o que faz por aqui? - Indaguei ao namorado da minha irmã.
- Vim trazer esse bolo e esse refrigerante que a sua mãe mandou, para você lanchar...
- Oba! Muito obrigado, Hélio. Agora, me responde uma coisa: quem deixou você entrar no quartel?
- Foi o "Marmota" (apelido do soldado Mota, que estava de guarda, no portão).
- Tudo bem, obrigado!
Abrindo um parêntese: O soldado Mota tinha o apelido de “Marmota” porque “o peste” era todo desengonçado. Sabiamente, turma passou a chamá-lo assim, uma perfeita associação do seu nome com o animal.
Pois bem...
Era o auge da chamada “Ditadura Militar”. Portanto, todo o cuidado era pouco. Por isso, assim que o meu ex-cunhado se retirou, acordei os soldados Araújo e Aguiar e ordenei:
- Vão, agora mesmo, lá no portão. Você, Araújo, substitua o soldado Mota (Nome de Guerra do "Marmota") e você, Aguiar, prenda-o, sob a acusação de negligência, porque ele deixou pessoas estranhas entrarem no quartel, sem autorização do Comandante (no caso, eu) e, ainda por cima, no meio da noite!
O soldado Mota "Marmota" passou 24 horas preso! Se não agisse assim, no dia seguinte, o pau cairia na minha cabeça...
Ainda hoje, quando visito Palmeira dos Índios e encontro com o "Marmota", ele passa por mim e faz de conta que não me conhece. 

Um comentário:

  1. Comandante Aló, você é tampa de foguete.
    Hoje em dia, até o VO tá esculhambado,
    desacreditado; basta ver o alevantamento
    dos muros do quartel do 59BIMtz(20BC),
    por "medida de segurança". No popular:
    medo! medo!!! Este brazilzão virou uma
    gandaia generalizada ...

    ResponderExcluir