terça-feira, 29 de outubro de 2013

UMA CARTA

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES

Texto escrito pelo comediante George Carlin, após a mote da sua esposa. Reflita na eloquência de suas palavras: 

O paradoxo do nosso tempo é que temos edifícios mais altos e temperamentos mais reduzidos; estradas mais largas e pontos de vista mais estreitos; gastamos mais, mas temos menos; compramos mais, porém desfrutamos menos; temos casas maiores e famílias menores; maiores comodidades e menos tempo; temos mais graduações acadêmicas, porém menos sentido comum; maior conhecimento, porém menor capacidade de discernir; mais especialistas, porém mais problemas; melhor medicina, porém menos bem estar, bebemos demais, fumamos demais!
Desperdiçamos demais, rimos pouco; dirigimos rápido demais, nos irritamos demais. Nos é revelado muito, mas amanhecemos cansados; lemos pouco, vemos muito televisão e oramos raramente; temos multiplicado nossas posses, porém reduzimos nossos valores; falamos muito, ouvimos muito pouco, amamos menos ainda e odiamos frequentemente!
Temos aprendido a ganhar a vida, mas não para viver; acrescentamos anos à nossa vida, mas não vida aos nossos anos; temos ido à lua, mas é cada vez mais difícil atravessar a rua e encontrar o nosso vizinho.
Conquistamos o espaço exterior, porém não o nosso interior; temos feito grandes coisas, porém não as melhores; temos limpado o ar, porém contaminamos nossas almas; dominamos o átomo, mas não nossos preconceitos.
Escrevemos mais, porém aprendemos menos; planejamos mais, porém realizamos menos; temos aprendido a apreciar, porém não sabemos espera; produzimos computadores que processam mais informações, porém nos comunicamos cada vez menos.
Estes são tempos de comidas rápidas e digestão lenta. São tempos de homens de grande estatura e com falta de caráter! De enormes ganâncias econômicas e relações humanas superficiais.
Existem duas fontes de renda, porém mais divórcios; casas mais luxuosas, mas muitos lares desfeitos.
São tempos de viagens rápidas, fraldas descartáveis; moral descartável em uma noite, corpos obesos! E pílulas que fazem de tudo: alegrar, acalmar e até matar.
São tempos de janelas que se abrem para lugar nenhum! Tempos em que a tecnologia pode fazer chegar esta carta até você! E você pode optar por compartilhar estes pensamentos ou simplesmente excluí-los.
Lembre-se de passar algum tempo com seus entes queridos, pois ninguém estará aqui para sempre. Recorde-se agora de quem o admira, porque essa pessoa tão logo poderá estar longe de você. Lembre-se de abraçar quem você ama, porque esse é um tesouro que você pode dar, sem nenhum custo. Lembre-se de dizer “eu te amo” ao seu parceiro e aos seus entes queridos, mas acima de tudo, fazê-lo sinceramente.
Um beijo e um abraço podem curar uma ferida, quando se é dado com toda a alma.
Dê-se tempo para amar e conversar, compartilhando suas mais preciosas ideias. E sempre recorde:
A vida não se mede pelo número de vezes que respiramos, mas sim pelos extraordinários e importantes momentos que vivemos em plenitude.
George Carlin.

2 comentários:

  1. Prof, KM, meu caro jovem, o fecho desse magnífico
    discurso é um antológico resumo do viver:
    "A vida não se mede pelo número de vezes que respiramos,
    mas sim pelos extraordinários e importantes momentos
    que vivemos em plenitude."

    ResponderExcluir