terça-feira, 19 de maio de 2015

O CANDIDATO A PREFEITO

Texto de Aloisio Guimarães

O causo de hoje faz parte do Folclore Político da minha querida Palmeira dos Índios.
Em qualquer cidade brasileira, seja uma capital ou interior, encontramos muito dos seus povoados, bairro, praças ou ruas, com nomes muitas vezes cômicos ou inusitados. Em Palmeira dos Índios, não era diferente: Gavião, Cafurna, Caldeirão, Rua do Pinga Fogo, Rua do Esconde Homem, Boca de Maceió, Alto dos Bodes... Lamentavelmente, já mudaram os nomes de quase todos eles. 
Dentre todos os seus povoados, um dos mais desenvolvidos - tanto que hoje já está  emancipado, transformado na cidade Estrela de Alagoas - era o Povoado Bola, situado distante cerca de 10 km do centro da cidade.
O Bola, antigamente, não era muita coisa: apenas uma praça, para onde se dirigiam duas ou três ruas. Hoje, já se desenvolveu bastante, em comparação ao que era no meu tempo de criança.
Na década de 70, como ainda não existia nada (televisão, dvd, computador, internet...), qualquer acontecimento, por mais bobo ou importante que fosse, era motivo de diversão e aglomeração da população na praça do Bola.
Isto explicado, vamos ao causo:
Estávamos no período eleitoral...
Um dos homens mais ricos da cidade, todo mundo sabe de quem se trata, mas aqui vou chamá-lo de "Fulano", se candidatou a prefeito de Palmeira dos Índios. Talvez para lhe diminuir politicamente, seus adversários conseguiram lhe atribuir a fama de ser analfabeto.
Chegou o dia do comício de Fulano, no Povoado Bola. A praça estava lotada... Todo mundo querendo ouvir as promessas do candidato.
Pois bem, na hora marcada do comício, ele começa o seu discurso:
- Povo Boliviano!
Ao ouvir isso, o seu puxa-saco de plantão imediatamente cochicha no seu ouvido:
- Seu Fulano, "boliviano" é quem nasce na Bolívia...
O candidato, então, retrucou;
- Ôxente, mininu, apôis tudo né Brasi?
Perdeu a eleição...

Um comentário:

  1. Seu ALÓ, essimininu, isso são belos contos do século passado.
    Nos atualmente, ser analfa é um verdadeiro deproma para os
    pUlíticos que pulullam neztipaiz. Faz 13 anos que estamos sob
    o jugo do apedeuta-mor e de seus PTralhas ensandecidos e
    corruPTos. Nos antigamente era bom os "Fulanos", ainda,
    perdiam eleições; hoje, o apedeuta-mor compra votos em
    módicas prestações mensais, oficialmente e com nosso suado
    dinheirinho. Abaixo a PTralhada!!!
    (AAraujosilva, desde os confins da Jatiúca em MCZ/AL)

    ResponderExcluir