sábado, 9 de janeiro de 2016

MÁRIO DOS ÍNDIOS

Texto de Aloisio Guimarães

Se você quer brigar e acha

que com isso estou sofrendo

Se enganou, meu bem,

pode vir quente que eu estou fervendo

Os versos acima são da música “Vem quente que estou fervendo”, de autoria de Carlos Imperial e Eduardo Araújo, cantada pelo Erasmo Carlos, que foi um estrondoso sucesso e que serve como pano de fundo para o causo abaixo:
Diz a lenda que o nome da cidade de Palmeira dos Índios nasceu do amor, e seu trágico final, de dois índios da tribo Xucurus-Kariri, à sombra de uma frondosa palmeira.
As tribos Xucurus-Kariri habitaram, e ainda possuem descendentes, as terras palmeirenses. Por conta disto, o posto da Fundação Nacional do Índio - FUNAI - em Palmeira dos índios, em plena era da chamada “ditadura militar”, era comandado por um cidadão chamado Mário Furtado.
Apesar de ser um sujeito alto, galego, olhos esverdeados e com certa aparência de europeu, para diferenciá-lo mais facilmente dos outros Mários que viviam na cidade, os seus amigos, entre eles o meu velho pai, o chamavam de "Mário dos Índios", numa clara alusão às suas atividades profissionais.
O conflito índio/homem branco/FUNAI sempre existiu e continuará a existir. E foi por causa de um desses conflitos que certo dia ele recebeu um telefonema de Maceió, no qual “um amigo” lhe avisava:
- Mário, toma muito cuidado porque vão fazer uma fiscalização aí na FUNAI de Palmeira. Tenha cuidado mesmo para a coisa não esquentar pro seu lado...
Aproveitando o grande sucesso musical do momento, Mário respondeu, em tom de brincadeira:
- Ora, “pode vir quente que estou fervendo”!
Chateado, o seu “amigo” interlocutor não achou nenhuma graça no que o Mário dos Índios lhe disse...
“Dedurado” pelo “amigo da onça”, a brincadeira foi considerada um deboche e uma verdadeira afronta ao regime político em vigor. Imediatamente, Mário dos Índios foi preso e enviado para a capital, Maceió, onde passou alguns dias enjaulado.
A fiscalização foi efetuada e nada de irregular foi encontrado. Mário dos Índios era um homem honesto e de caráter irretocável.
Verdadeira ou não, esta é a versão que soube na época para a prisão do Mário dos Índios.
Anos depois, ele faleceu de infarto, feliz da vida, “trepando”, em uma das casas de tolerância existente na cidade!
Sem sombras de dúvidas, Mário dos Índios foi uma das figuras marcantes e que construíram a história de Palmeira dos Índios.
Não sei se existe alguma homenagem a ele, do tipo nome de rua ou praça... 
- Existe ou não?
Quem souber, responda...

Nenhum comentário:

Postar um comentário