quarta-feira, 1 de outubro de 2014

MÃES

AUTORIA: TEXTO PUBLICADO NA VEJA BH

Dizem: quando nasce um bebê, nasce uma mãe também. E um polvo. Um restaurante delivery. Uma máquina de chocolate prontinho. Uma mecânica de carrinhos de controle remoto. Uma médica de bonecas. Uma professora-terapeuta-cozinheira de carreira medíocre. Nasce uma fábrica de cafuné, um chafariz de soro fisiológico, um robô que desperta ao som de choro. E principalmente: nasce a fada do beijo.
Quando nasce um bebê, nasce também o medo da morte - mães não se conformam em deixar o mundo sem encaminhar devidamente um filho.
Não pense você que ao se tornar mãe uma mulher abandona todas as mulheres que já foi um dia. Bobagem. Ganha mais mulheres em si mesma. Com seus desejos aumentam sua audácia, sua garra, seus poderes. Se já era impossível, cuidado: ela vira muitas. Também não me venha imaginar mães como seres delicados e frágeis. Mães são fogo, ninguém segura. Se antes eram incapazes de matar um mosquito, adquirem uma fúria inédita. Montam guarda ao lado de suas crias, capazes de matar tudo o que zumbir perto delas: pernilongos, lagartas, leões, gente.
Mães não têm tempo para o ensaio: estreiam a peça no susto. Aprendem a pilotar o avião em pleno voo. E dão o exemplo, mesmo que nunca tenham sido exemplo. Cobrem seus filhos com o cobertor que lhes falta. E, não raro, depois de fazerem o impossível, acreditam que poderiam ter feito melhor. Nunca estarão prontas para a tarefa gigantesca que é criar um filho - alguém está?
Mente quem diz que mãe sente menos dor - pelo contrário! Ela apenas aprende a deixar sua dor para outra hora. Atira o seu choro no chão para ir acalentar o do filho. Nas horas vagas, dorme. Abastece a casa. Trabalha. Encontra os amigos. Lê - ou adormece com um livro no rosto. E, quando tem tempo pra chorar - cadê? -, passou. A mãe então aproveita que a casa está calma e vai recolher os brinquedos da sala. Como esse menino cresceu, ela pensa, a caminho do quarto do filho. Termina o dia exausta, sentada no chão da sala, acompanhada de um sorriso besta.
Já os filhos, ah!
Filhos fazem a mãe voltar os olhos para coisas que não importavam antes. O índice de umidade do ar. Os ingredientes do suco de caixinha. O nível de sódio do macarrão sem glúten. Onde fica a Guiné-Bissau. Os rumos da agricultura orgânica. As alternativas contra o aquecimento global. Política. E até sua própria saúde. Mães são mulheres ressuscitadas. Filhos as rejuvenescem, tornando a vida delas mais perigosa - e mais urgente.
Quando nasce um bebê, nasce uma empreiteira. Capaz de cavar a estrada quando não há caminho, só para poder indicar: "É por ali, filho, naquela direção".
Para comentar o texto, basta clicar na palavra "COMENTÁRIOS" aí embaixo:

terça-feira, 30 de setembro de 2014

´COMO FUNCIONA...

ADAPTAÇÃO: ALOISIO GUIMARÃES
Um eleitor, pobre está andando tranquilamente, quando é atropelado e morre. A alma dele chega ao Paraíso e, na entrada, dá de cara com São Pedro:
- Bem-vindo ao Paraíso! - diz São Pedro - Antes que você entre, há um probleminha: raramente vemos eleitores conscientes por aqui, sabe? Então, não sabemos bem o que fazer com você.
- Não vejo problema, é só me deixar entrar - diz o eleitor.
- Eu bem que gostaria, mas tenho ordens superiores. Vamos fazer o seguinte: Você passa um dia no Paraíso e um dia no Inferno. Aí, pode escolher onde quer passar a eternidade.
- Não precisa, já resolvi. Quero ficar no Paraíso diz o eleitor.
- Desculpe, mas temos as nossas regras.
São Pedro o acompanha até o elevador e ele desce, desce, desce até o Inferno.
A porta se abre e ele se vê no meio de uma balada. Logo ele distingue todos os seus amigos pobres que já haviam morrido e com quem ele havia se divertido. Estavam todos muito felizes... O eleitor é cumprimentado, abraçado pelos amigos e logo começam a falar sobre os bons tempos em que ficavam sem fazer nada, recebendo bolsas do governo, sem fazer nada, à custa do trabalhador. Resolvem jogar uma "pelada", antes de devorarem um gostoso churrasco de picanha argentina, "regado" com cerveja alemã, tudo vistoriado pelo Diabo, um cara amigão, que passa o tempo todo dançando e contando piadas.
Eles se divertem tanto que, antes que ele perceba, já é hora de ir embora.
Todos se despedem dele com abraços e acenam enquanto o elevador sobe até o Paraíso, onde São Pedro está esperando por ele:
- Agora é a vez de você visitar o Paraíso.
Ele passa 24 horas junto a um grupo de almas contentes, que andam de nuvem em nuvem, tocando harpas e cantando.
Tudo vai muito bem e, antes que ele perceba, o dia se acaba e São Pedro retorna.
- E aí? Você passou um dia no Inferno e um dia no Paraíso. Agora, escolha a sua casa eterna.
Ele pensa um minuto e responde:
- Olha, eu nunca pensei... O Paraíso é muito bom, mas eu acho que vou ficar melhor no Inferno.
Então São Pedro o leva de volta ao elevador e ele desce, desce, desce até o Inferno.
A porta abre e ele se vê no meio de um enorme terreno baldio cheio de lixo, vê todos os amigos com as roupas rasgadas e sujas, catando o entulho e colocando em sacos pretos. Ao lado deles, seus filhos doentes, sem hospital; analfabetos, sem escola...
O diabo vai ao seu encontro e passa o braço pelo ombro do senador.
- Não estou entendendo... - gagueja o eleitor - ontem mesmo eu estive aqui e havia um churrasco, com carne argentina e cerveja alemã... E nós dançamos e nos divertimos o tempo todo. Agora só vejo esse fim de mundo cheio de lixo e meus amigos arrasados!
O diabo olha pra ele, sorri ironicamente e diz:
- Ontem estávamos em campanha. Agora, já conseguimos o seu voto...

Para comentar o texto, basta clicar na palavra "COMENTÁRIOS" aí embaixo:

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

A LEI DO CAMINHÃO DO LIXO

PAUTORIA: ATRIBUÍDA A ARNALDO JABOR
 
Um dia peguei um táxi para o aeroporto. Estávamos rodando na faixa certa quando um carro preto saiu de repente do estacionamento direto na nossa frente. O taxista pisou no freio bruscamente, deslizou e escapou de bater em outro carro, foi mesmo por um triz!
O motorista desse outro carro sacudiu a cabeça e começou a gritar para nós nervosamente.
Mas o taxista apenas sorriu e acenou para o cara, fazendo um sinal de positivo. E ele o fez de maneira bastante amigável.
Indignado lhe perguntei:
- Porque você fez isto? Este cara quase arruína o seu carro, a nós e quase nos manda para o hospital?!
Foi quando o motorista do taxi me ensinou o que eu agora chamo de "A Lei do Caminhão de Lixo.”. Ele explicou que muitas pessoas são como caminhões de lixo: andam por aí carregadas de lixo, cheias de frustrações, de raiva, traumas e desapontamento. À medida que suas pilhas de lixo crescem, elas precisam de um lugar para descarregar e às vezes descarregam sobre a gente. Nunca tome isso como pessoal. Isto não é problema seu; é dele. Apenas sorria, acene, deseje-lhes sempre o bem, e vá em frente. Não pegue o lixo de tais pessoas e nem o espalhe sobre outras pessoas no trabalho, em casa ou nas ruas. Fique tranquilo, respire e deixe o lixeiro passar...
O princípio disso é que pessoas felizes não deixam os caminhões de lixo estragar o seu dia. A vida é muito curta, não leve lixo com você! Limpe os sentimentos ruins, aborrecimentos do trabalho, picuinhas pessoais, ódio e frustrações. Ame as pessoas que te tratam bem. E trate bem as que não o fazem. A vida é dez por cento do que você faz dela e noventa por cento da maneira como você a recebe.
Lembre-se: “Livre-se dos lixos!". 
Para comentar o texto, basta clicar na palavra "COMENTÁRIOS" aí embaixo:

domingo, 28 de setembro de 2014

DOMINGO DE MANIFESTAÇÕES POLÍTICAS EM MACEIÓ

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES


Para comentar o texto, basta clicar na palavra "COMENTÁRIOS" aí embaixo:

WHATSAPP

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES - RECEBIDO PELO WHATSAPP

video
 
DICA:
LIGUE O SOM E CLIQUE NO QUADRADO, EMBAIXO, NO LADO DIREITO, PARA AUMENTAR O TAMANHO DA IMAGEM E DEPOIS NA TECLA "ESC" PARA VOLTAR AO NORMAL.

Para comentar o texto, basta clicar na palavra "COMENTÁRIOS" aí embaixo:

O SEXO E A BALANÇA

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES - RECEBIDO POR E-MAIL


Para comentar o texto, basta clicar na palavra "COMENTÁRIOS" aí embaixo:

REFLETIR E MUDAR

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES - RECEBIDO POR E-MAIL 

Durante um seminário para casais, perguntaram a uma das esposas:
- Seu marido lhe faz feliz? Ele lhe faz feliz, de verdade?
Neste momento, o seu marido levantou seu pescoço, demonstrando total segurança. Ele sabia que a sua esposa diria que sim, pois ela jamais havia reclamado de algo durante o casamento. Todavia, a esposa respondeu com uma resposta bem redonda:
- Não, o meu marido não me faz feliz; meu marido nunca me fez feliz e não me faz feliz... Eu sou feliz!
Neste momento, o marido já procurava a porta de saída mais próxima.
Ela continuou:
- O fato de eu ser feliz ou não, não depende dele e sim, de mim. Eu sou a única pessoa da qual depende a minha felicidade. Eu determino ser feliz em cada situação e em cada momento da minha vida, pois se a minha felicidade dependesse de alguma pessoa, coisa ou circunstância sobre a face da Terra, eu estaria com sérios problemas.
O fato de eu ser feliz ou não, não depende dele e sim, de mim. Eu sou a única pessoa da qual depende a minha felicidade. Eu determino ser feliz em cada situação e em cada momento da minha vida, pois se a minha felicidade dependesse de alguma pessoa, coisa ou circunstância sobre a face da Terra, eu estaria com sérios problemas.
Tudo o que existe nesta vida muda constantemente : o ser humano, as riquezas, o meu corpo, o clima, o meu chefe, os prazeres, os amigos, minha saúde física e mental... E assim eu poderia citar uma lista interminável.
Eu decido ser feliz.
Se tenho hoje minha casa vazia ou cheia, sou feliz. Se vou sair acompanhada ou sozinha, sou feliz. Se meu emprego é bem remunerado ou não, eu sou feliz. Sou casada, mas era feliz quando estava solteira. Eu sou feliz por mim mesma.
As demais coisas, pessoas, momentos ou situações, eu chamo de "experiências que podem, ou não, me proporcionar momentos de alegria e tristeza”.
Quando alguém que eu amo morre, eu sou uma pessoa feliz num momento inevitável de tristeza.
Aprendo com as experiências passageiras e vivo as que são eternas, como amar, perdoar, ajudar, compreender, aceitar, consolar...
Há pessoas que dizem “Hoje não posso ser feliz porque estou doente, porque não tenho dinheiro, porque alguém me insultou, porque alguém deixou de me amar, porque meu marido não é como eu esperava, porque meus filhos não me fazem felizes, porque meus amigos não me fazem felizes, porque meu emprego é medíocre, etc.” e por aí vai...
Amo a vida que tenho, mas não porque minha vida é mais fácil do que a dos outros. É porque eu decidi ser feliz como indivíduo e me responsabilizo por minha felicidade.
Quando eu tiro essa obrigação do meu marido e de qualquer outra pessoa, deixo-os livres do peso de me carregar nos ombros. A vida de todos fica muito mais leve. E é dessa forma que consegui um casamento bem sucedido ao longo de tantos anos.
MORAL DA HISTÓRIA
Nunca deixe nas mãos de ninguém uma responsabilidade tão grande quanto a de assumir e promover sua felicidade!
Seja feliz, mesmo que faça calor, mesmo que esteja doente, mesmo que não tenha dinheiro, mesmo que alguém tenha lhe machucado, mesmo que alguém não lhe ame ou não lhe dê o devido valor...
Peça apenas ao Deus que lhe dê serenidade, para aceitar as coisas que você não pode mudar; coragem, para modificar aquelas que podem ser mudadas e sabedoria, para conseguir reconhecer a diferença que existe entre elas.
MUDE, SEJA FELIZ! 
Para comentar o texto, basta clicar na palavra "COMENTÁRIOS" aí embaixo:

TRATAMENTO CARINHOSO

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES - RECEBIDO POR E-MAIL


Para comentar o texto, basta clicar na palavra "COMENTÁRIOS" aí embaixo:

sábado, 27 de setembro de 2014

MORRER É PRECISO

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES
Nós estamos acostumados a ligar a palavra morte apenas à ausência de vida e isso é um erro. Existem outros tipos de morte e precisamos morrer todo dia. A morte nada mais é do que o ponto de partida para o início de algo novo. É a fronteira entre o passado e o futuro.
Se você quiser ser um bom universitário, então, mate dentro de você o secundarista aéreo, que acha que ainda tem muito tempo pela frente.
Você quer ser um bom profissional? Então, mate, dentro de você, o universitário descomprometido, que acha que a vida se resume a estudar só o suficiente para fazer as provas.
Quer ter um bom relacionamento? Então, mate dentro de você o jovem inseguro e ciumento ou o solteiro solto, que pensa poder fazer planos sozinho, sem ter que dividir espaços, projetos e tempo com mais ninguém.
Enfim, todo processo de evolução exige que matemos o nosso "eu" passado, inferior.
- E qual o risco de não agirmos assim?
O risco está em tentarmos ser duas pessoas ao mesmo tempo, perdendo o nosso foco, comprometendo nossa produtividade e, por fim, prejudicando nosso sucesso.
Muitas pessoas não evoluem porque ficam se agarrando ao que eram, não se projetam para o que serão ou desejam ser. Elas querem a nova etapa sem abrir mão da forma como pensavam ou como agiam. Acabam se transformando em projetos inacabados, híbridos, adultos "infantilizados".
Precisamos manter as virtudes de criança que também são necessárias a nós, os adultos, como a brincadeira, o sorriso fácil, a vitalidade, a criatividade, etc.
- Então, o que você precisa matar em si ainda hoje para que nasça o ser que você tanto deseja ser?
Pense nisso e morra...
...Mas não se esqueça de nascer melhor ainda!
O valor das coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que elas acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis. FERNANDO PESSOA

Para comentar o texto, basta clicar na palavra "COMENTÁRIOS" aí embaixo: