quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

O BEM E O MAL

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES 

Ao conceber pintura da “Santa Ceia”, Leonardo da Vinci deparou-se com uma grande dificuldade: Precisava pintar o bem, na imagem de Jesus, e o mal, na figura de Judas - o apóstolo que resolveu trai-lo durante o jantar. 
Por este motivo, interrompeu o seu trabalho, até que conseguisse encontrar os modelos ideais.
Certo dia, enquanto assistia a um coral, viu, em um dos rapazes, a imagem perfeita de Cristo. Convidou-o para o seu ateliê, onde reproduziu seus traços em estudos e esboços. 
Passaram-se três anos... 
A “Santa Ceia” estava quase pronta, mas Da Vinci ainda não havia encontrado o modelo ideal de Judas. O cardeal, responsável pela igreja, começou a pressioná-lo, exigindo que terminasse logo o mural. 
Depois de muitos dias procurando, o pintor finalmente encontrou um jovem prematuramente envelhecido, bêbado, esfarrapado, atirado na sarjeta.  Imediatamente, pediu aos seus assistentes que o levassem até a igreja. Da Vinci copiava as linhas da impiedade, do pecado, do egoísmo, tão bem delineadas na face do mendigo, que mal conseguia parar em pé. Quando terminou, o jovem - já um pouco refeito da bebedeira - abriu os olhos e notou a pintura à sua frente, e disse, numa mistura de espanto e tristeza:
- Eu já vi esse quadro antes! 
- Quando? - perguntou surpreso, Da Vinci.
- Há três anos, antes de eu perder tudo o que tinha, numa época em que eu cantava num coro, tinha uma vida cheia de sonhos e um artista me convidou para posar como modelo para a face de Jesus...
MORAL DA HISTÓRIA:
O bem e o mal tem a mesma face; tudo depende apenas da época em que cruzam o caminho de cada ser humano.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

ANÚNCIO EM UM JORNAL CEARENSE

POSTAGEM: ALOISIO GUIMARÃES
 
HOMEM DESCASADO PROCURA
Homem de 40 anos, que só gosta de mulher, após casamento de sete anos mal sucedido afetivamente, vem, através deste anúncio, procurar mulher que só goste de homem, para compromisso duradouro, desde que preencha os seguintes requisitos: 
Tenha idade entre 28 e 40 anos, não descartando, evidentemente, aquelas de idade abaixo do limite inferior, mas descartando de imediato aquelas acima do limite superior. Deve ter um grau razoável de escolaridade, para que não diga, na frente de estranhos "menos vezes", "quando eu si casar", "pobrema no úter", "eu já si operei de apênis", "é de grátis", "vamo de a pé", "adoro tar com você" e outras pérolas gramaticais. Os olhos podem ter qualquer cor, desde que sejam da mesma, e olhem para uma mesma direção. Os dentes, além de extremamente brancos, todos os 32, devem permanecer na boca ao deitar e nunca dormirem mergulhados num copo d'água. Os seios devem ser firmes, do tamanho de um mamão papaia, cujos mamilos olhem sempre para o céu - quando muito, para o purgatório, nunca para o inferno - e devem ter consistência de modo que não escapem pelos dedos, como massa de pão. Por motivos óbvios, a boca e os lábios - não confundí-los com "beiço" - devem ter consistência macia. A barriga, se existir, deve ser muito pequena e discreta, e não um ponto de referência. É obrigatório que ela seja sexualmente normal, isto é, que tenha orgasmos, se múltiplos melhor, mas, mesmo que eventuais, quando acontecerem, ela gema um pouco e pisque os olhos, para que me sinta sexualmente interessante. Independentemente da minha experiência, exijo que durante o ato sexual ela não boceje, não ria, não fique vendo as horas no rádio relógio e não durma ou cochile. Exijo ainda que não tenha feito nenhuma sessão de análise, o que poderia camuflar, por algum tempo, uma eventual esquizofrenia.
A interessada deverá ter um carro que ande, nem que seja uma Brasília; que tenha dinheiro para o táxi uma vez que, pela própria idade, não tenho mais paciência para levar namorada de madrugada para casa.
A interessada deve enviar cartas com foto recente, de corpo inteiro, frente e costas, para a redação deste jornal, para o codinome: “Cachorro mordido de cobra tem medo até de barbante".
RESPOSTA DE UMA PRETENDENTE
Prezado "Homem descasado",
Li seu anúncio no jornal e manifesto meu interesse em manter um compromisso duradouro com o senhor, desde que, é claro, o senhor também preencha "outros certos requisitos" que considero básicos!
Vale lembrar que tais exigências se baseiam em conclusões tiradas acerca do comportamento masculino, em diversas relações frustradas, que só não deixaram marcas profundas em minha personalidade, porque, graças a Deus, fiz anos de terapia, o que, infelizmente, contraria uma de suas exigências!
Quanto à idade, convém ressaltar que espero que o senhor tenha a maturidade dos 40 anos e o vigor dos 28! Espero que o seu grau de escolaridade supere a cultura que porventura tenha adquirido assistindo aos programas do "Show do Milhão"! Os seus olhos podem ser de qualquer cor, desde que vejam algo além de jogos de futebol e revistas de mulher pelada! Os seus dentes devem sempre sorrir, mesmo quando lhe for solicitado que lave a louça ou arrume a cama. Não é necessário que seus músculos tenham sido esculpidos pelo halterofilismo, mas que seus braços sejam fortes o suficiente para carregar as compras. Quanto à boca, por motivos também óbvios, além de cumprir com eficiência as funções a que se destinam as bocas no relacionamento de um casal, devem servir, inclusive, para pronunciar palavras doces e gentis e não somente “pega mais uma cerveja aí, mulher!". A barriga, que é quase certo que o senhor a tenha, é tolerável, desde que não lhe atrapalhe para recolher as cuecas e meias, que jamais deverão ficar no chão. Quanto ao desempenho sexual, espero que o senhor corresponda, ao menos polidamente, à "performance" daquilo que o senhor "diz que faz" aos seus amigos e que, para a consumação do mesmo, não seja necessário levar para a cama livros do tipo "Manual do corpo humano" ou "Mulher, esse ser estranho". No que diz respeito ao item alimentação, cumpre ao senhor está sempre atualizado com a lista dos melhores e mais caros restaurantes, ser um bom conhecedor de vinhos e de toda espécie de iguarias, além de, evidentemente, pagar as contas.
Com relação ao carro, saiba que serão desnecessários os trajetos para a minha residência, durante as madrugadas, uma vez que, havendo correspondência nas exigências que por ora faço, pretendo mudar-me de mala e cuia para a sua casa, meu amor!
Ass.: "A Cobra"

domingo, 19 de fevereiro de 2017

CADÊ MEU CARNAVAL?

Texto de Aloisio Guimarães

Vai começar o carnaval e eu detesto carnaval. Mesmo assim, paradoxalmente, sinto saudades do carnaval do passado. Talvez a saudades que sinto seja pelo fato de meu falecido pai ter sido o "Rei Momo" em alguns carnavais de Palmeira dos Índios...
Sinto saudades...
Saudades dos bailes nos clubes sociais, com direito a máscaras, lança-perfume (que eram liberadas) e muita guerra de confete e serpentina.
Saudades do corso (desfile de carros pelas ruas da cidade), do mela-mela (com talco e água) e dos bailes populares na Praça Moleque Namorador (Maceió) e na Praça da Independência de Palmeira dos Índios - onde eram chamados de “Maratona” porque começavam uma semana antes do carnaval, sob a batuta do maestro “Mané” Morais, tornando os foliões em verdadeiros “atletas da folia”.
Saudades do “Banho de mar e fantasia” na praia de Pajuçara (Maceió); dos bailes na Portuguesa (Maceió) e no Aero Clube (Palmeira dos Índios).
Saudades dos desfiles do bloco "Pitanguinha vai a lua" (Maceió) e "Cangaceiros" (Palmeira dos Índios - sob o comando do “Lampião” Gileno Sampaio).
Sinto saudades...
Antigamente, era durante o dia que o carnaval mostrava sua força popular, onde blocos improvisados desfilavam pelas ruas da cidade, arrastando dezenas de foliões, pobres e ricos, visitando as casas das famílias, onde eram recebidos com bebida e "tira-gosto"... Além de tudo isso ser de graça, dificilmente ocorriam brigas, quer seja nos bailes ou nas ruas!
Mas, de uns anos para cá, em todas as cidades do Brasil, estão acabando com a nossa festa mais popular, transformando-a em verdadeiro comércio, tirando o direito do pobre de se divertir. O carnaval está se tornando “coisa de rico”! Hoje, para brincar o carnaval, é quase que obrigatório comprar uma fantasia, chamada de “mortalha” (sic), onde muitas delas custam "os olhos da cara", são vendidas à prestação, com meses de antecedência, num verdadeiro negócio, onde existe até empresário que vive da "renda de bloco".
Lamentavelmente, além da queda, o coice: o pobre deixou de ser “Folião” e virou “Pipoca”!
- E o que vem a ser “Pipoca”?
Curto e grosso:
- “Pipoca” é aquele folião pobre, que não tem grana para comprar a “mortalha”, desfila de modo marginalizado, pulando feito uma "pipoca”, animando a festa dos outros.No “frigir dos ovos”, o “pipoca” serve somente como garoto de propaganda numérica de um bloco carnavalesco, dando-lhe fama e aumentando a venda das suas “mortalhas” para o próximo carnaval, enriquecendo cada vez mais o empresário!
E no outro dia, ouviu um otário, muito emocionado, fazer o seguinte comentário:
- Viu só, Carlos? “O Babaca” (nome fictício de bloco) estava muito bom; tinha gente pra danar! Sou “babaqueiro” de carteirinha!
Aqui em Maceió acontece um fato intrigante:
Os blocos mais famosos só desfilam numa tal de “prévia” que acontece uma semana antes do carnaval, arrastando milhares de pessoas, com mortalhas, pagas ou não. E só! Ora, pelo que aprendi, “prévia” é uma amostra de algo que vai acontecer ou será que sou burro e não sei mesmo o que significa “prévia”? Já que perdi a "prévia", e desejo brincar o carnaval, pergunto:
- Alguém sabe informar em que dia do carnaval os blocos da prévia vão desfilar?
Se a resposta for "Sim", dou a mão à palmatória: estou errado! Agora, se a resposta for "Não", o que os impede de desfilar? Não acredito que sejam proibidos pela Prefeitura porque seria o fim da picada! E se a Prefeitura não os proíbe, por que não condiciona o desfile deles na “prévia” a desfilar também nos dias de carnaval? Mistérios...
O carnaval de Maceió já morreu faz tempo e graças à persistência dos pobres meninos da periferia, com seus concursos de Boi Bumbá (e quase nenhuma ajuda do poder público) é que o carnaval de Maceió ainda não foi enterrado!
Divirta-se!