sábado, 31 de março de 2012

ÁLBUM DE FIGURINHAS

Texto de Aloisio Guimarães

Objetivando motivar as torcidas dos clubes alagoanos a Federação Alagoana de Futebol lançou nesta sexta-feira, 30 de março, o "ÁLBUM DE FIGURINHAS DO CAMPEONATO ALAGOANO DE FUTEBOL 2012".
Inicialmente, segundo notícias nos sites  alagoanos, serão disponibilizados no mercado 50.000 exemplares, cujo objetivo maior é atrair a atenção do torcedor para os times locais.
Na ocasião do lançamento, o presidente da Federação, Gustavo Feijó, desabafou:
- Ficamos tristes quando os torcedores alagoanos lotam os estádios e vestem as camisas de times de fora, quando poderiam torcer pelos times do Estado.
Tem toda razão o mandatário do futebol alagoano. Mas...
- O que não da para entender é como querem motivar o público, lançando o tal o álbum perto do final do segundo turno, praticamente no fim do campeonato!
Para o torcedor de Palmeira dos Índios, o álbum serve como prova documental da passagem de um dos maiores artilheiros do futebol mundial - Túlio Maravilha - pelo glorioso CSE.
Que em 2013, sejam tomadas todas as providências para que a iniciativa não demore tanto, motivando, de verdade, o torcedor.

domingo, 25 de março de 2012

MORTE COVARDE

Texto de Aloisio Guimarães 

O problema de Abastecimento de Água em Palmeira dos Índios sempre foi crônico. Somente após a construção da barragem da Carangueja, em Quebrangulo, foi que a situação melhorou um pouco, mas continua deficiente. Se hoje é assim, antigamente era muito pior: faltava água por dias seguidos... Nas torneiras, só chegava vento! Muita gente passou noites a fio, sem dormir, vigiando as torneiras, esperando água...
Nesse período, a "salvação da lavoura" para nossa família era que na estação da Rede Ferroviária Federal, onde meu pai trabalhava, existia um enorme reservatório de água para o abastecimento das locomotivas "Maria Fumaça" e, sendo família do Chefe da Estação, tínhamos o privilégio de sempre ter água, desde que a carregássemos para casa.
Como morávamos cerca de 200 metros da estação, nós, os filhos homens, é que tínhamos a obrigação diária de fazer o transporte da água desde a estação até a nossa casa, em latões de querosene, de 18 litros, carregados sobre uma rodilha de pano na cabeça. Tínhamos a obrigação de encher dois tonéis, todo santo dia, menos naqueles dias em que chovia, é claro!  Para enchê-los, cada um de nós fazia o percurso umas dez ou doze vezes. No final do “serviço”, o nosso pescoço doía pra burro!
Certo dia, estávamos cumprindo a nossa tarefa diária, quando o meu irmão Casé, cansado e puto da vida com o trabalho, resmungou:
- Ah, morte covarde, porque não me matas?
Nesse momento, ia passando o Geraldo Prata, um grande amigo de meu pai, que ouviu as lamentações do Casé.
Assim que encontrou o nosso pai, Geraldo Prata comentou com ele aquilo que tinha ouvido o Casé dizer. Para nossa enorme surpresa, contrariando todas as nossas expectativas de uma sova, meu pai apenas achou engraçado.
Desse dia em diante Casé passou a ser chamado pelo Geraldo Prata de “Morte Covarde”, menos para nós, porque, graças aos seus "pequeninos olhos de Jeep",  Casé continuou sendo o nosso "Papai Oião"!
- Casé, meu irmão, hoje é 25 de março, data do seu aniversário. Pedimos a Deus que a morte continue sendo covarde, como tem sido até hoje, para que possamos celebrar esta data por muitos anos ainda. Receba nosso beijo e abraço! 

sábado, 24 de março de 2012

O CRACK NOSSO DE CADA DIA

Texto de Aloisio Guimarães

Resultado de imagem para drogasPassivamente, as autoridades brasileiras estão fechando os olhos para a pior praga existente no país: o crack! Os viciados e traficantes estão perdendo a vergonha e o medo...
Na minha mocidade, não tínhamos nenhuma informação sobre drogas, mas tínhamos medo de usá-las. Hoje, a juventude tem todo tipo de informação sobre todo tipo de droga e  dos males que a droga causa. Recebe informação em casa, na escola, no cinema, na televisão, na internet... E mesmo assim entra nessa furada!
Antigamente eram viciados, maconheiros, drogados... Hoje, para não serem ofendidos e nem às suas famílias, são  chamado, carinhosamente de “dependentes químicos”!
- Quando é que, principalmente, os jovens vão aprender que se a coisa fosse boa o nome não seria "droga"; seria, por exemplo, "xoxota"?
Fiquei estupefato quando determinado Ministro, do Governo Lula, defendeu a liberação da maconha. É o fim da picada! E esse ministro, em troca do apoio político do seu partido, ficou no governo até o dia que quis! E as famílias, principalmente as que sofrem com o problema das drogas, calaram! Num país sério, ele não teria permanecido mais nenhum segundo no governo!
A situação está ficando tão fora de controle, mas tão esculhambada, que  estão fumando maconha e crack abertamente, a qualquer hora do dia ou da noite, em qualquer cidade do país de modo que, à exemplo de São Paulo, cada uma já começa a ter a sua cracolândia!!!
As famílias estão se deteriorando por causa do crack e ninguém faz nada! Ninguém toma uma medida séria e contundente contra elas!
Acabei de assistir uma reportagem que mostrava uma criança de 9 anos fumando crack em uma praça, em plena luz do dia! Veja bem, apenas 9 anos de idade! Os filhos viciados estão roubando tudo que existe dentro de casa e assaltando nas ruas para manter o vício! Outro dia, vi uma senhora desesperada porque, não tendo mais nada para roubar em casa, o seu filho estava levando as telhas para vender e comprar drogas!
Agora, eu pergunto:
- O que impede o Governo de declarar guerra, mas guerra mesmo, ao tráfico?
- Quantas famílias terão que ser destruídas, para que se tome uma atitude enérgica?
- Quantos jovens terão de morrer pelas mãos do tráfico?
- Quantas crianças terão que ficar viciadas ou servirem de "avião", como são chamadas aquelas que trabalham para traficantes?
- Quantas mães terão que acorrentar seus filhos para que não se droguem?
Enquanto isso tome todo o cuidado possível, senhores pais e senhoras mães. Não façam todas as vontades dos seus filhos... Confiem desconfiando!
- Você conhece todos os amigos dos seus filhos? Sabe onde moram e quem são os pais deles?
- Você está acordado, quando seus filhos chegam da balada, para saberem o estado de como eles chegam?
Cuidem para que eles não entrem nessa onda. Assim, depois, vocês não terão que se perguntar:
- Aonde foi que errei?
 

sexta-feira, 23 de março de 2012

O NOSSO PROFESSOR PARDAL

Texto de Aloisio Guimarães
 
Toda cidade tem o seu cientista e Palmeira dos Índios não fugiu a esta regra.
Se alguém lhe disser que mora ou que morou em Palmeira dos Índios, pergunte-lhe se conheceu ou já ouviu falar do Ciço Aluado. Se ele responder que não, é um mentiroso, nunca morou na “Terra dos Xucurus”!
- E quem foi Ciço Aluado?
Ciço Aluado foi o maior cientista que nossa cidade já teve! Era filósofo, mecânico, fogueteiro, meteorologista... E ainda por cima, ele foi um ilusionista "de mão cheia"!
O homem era um pesquisador nato, muito embora não tivesse instrução superior.
O seu apelido “Aluado”, surgiu por conta das suas constantes experiências, nos mais diversos campos da imaginação. E, os mais exagerados, afirmavam que ele era capaz de conversar com a lua (sic)!
Sempre no seu inconfundível Jeep, com as mãos sujas de graxa, Ciço Aluado foi uma daquelas figuras marcantes, queridas e inesquecíveis de nossa terra.
A todos, ele costumava dizer que era capaz de fazer chover, em plena seca, se lhe dessem os meios que precisava.
Durante as festas de Natal e Ano Novo, na velha Praça da Independência, um dos momentos mais esperados, por "hômi, mulé e mininu", era a queima dos fogos do Ciço Aluado. Todo mundo ficava encantado quando viam os fogos queimarem ao longo de um circuito cheio de peripécias e rodas de fogos, iguais aos que víamos somente nos filmes de faroeste, em cenas que retratavam as festas mexicanas em homenagem a Nossa Senhora de Guadalupe.
Eu e meu irmão Casé, fomos testemunhas de uma das experiências do nosso "herói", cujo relato é o seguinte:
Estávamos no “Senadinho”, bar do meu pai, já citado em outros causos, quando chega Ciço Aluado e pede uma "lapada" de cachaça. Nesse momento, a turma que lá estava (Geraldo Prata, Nilo Barros, Itamar Malta, Dirceu Souza, entre outros) desafia Ciço Aluado para fazer alguma experiência rápida, ali e agora.
O nosso “Professor Pardal” não fugiu à luta! Foi no seu velho Jeep, voltou com um pedaço de Bombril e o colocou justamente dentro do seu copo, que ainda restava um pouco de cachaça. Depois, olhando para todos os presentes, profetizou:
- Daqui a pouco, isso vai pegar fogo!
Ninguém soube até hoje o que peste o Ciço Aluado fez, mas a bobônica do Bombril pegou fogo mesmo!
Todo mundo ficou de queixo caído...
Até hoje, de vez em quando, coloco um pedaço de Bombril num copo, com cachaça, e fico esperando ele incendiar... E nada acontece!
Foi com tristeza que recebi a notícia da sua morte, através do conterrâneo, o arquiteto, João Araújo Júnior.
Com certeza, ele deve estar conversado com o Criador, dando ideias para reinvenção do mundo!

sábado, 17 de março de 2012

EU NÃO SOU IGUAL A NINGUÉM!

Texto de Aloisio Guimarães

Assistindo um programa de televisão sobre discriminação racial, ouvi quando o entrevistado, em sua resposta, disse a seguinte frase:
- A discriminação racial é uma grande bobagem porque, afinal, todos nós somos iguais!
Fiquei matutando sobre a frase dita pelo cidadão e descobri que ele estava redondamente enganado. Não só ele, mas todos que pensam da mesma forma!
Ora, se dizem que somos espírito e que o corpo é apenas matéria, invólucro temporário, então:
• Nego-me a ser igualado (e com certeza não sou) a um espírito assaltante, que mata nossos filhos para roubar a porcaria de um celular ou um par de tênis;
• Repudio, veementemente, ser taxado como sendo igual a um pedófilo, que sente prazer em ofender crianças!
• Jamais fui (e nunca serei) igual a quem rouba o dinheiro do pobre e vai gastá-lo na Europa,  levando a família e bajuladores a tiracolo;
• Duvido que eu seja igual a um assassino de aluguel, que tira a vida de seu semelhante, sem ao menos o ter visto antes e apenas para receber dinheiro, pago por um espírito covarde;
• Não admito ser igualado a um terrorista, que mata pessoas inocentes para alcançar seus objetivos políticos, mesmo que estes fossem nobres;
• Nunca fui e jamais serei igual ao espírito racista, ladrão, violento, traficante, crápula, vândalo, traidor, fofoqueiro, difamador...
Embora concordando que qualquer tipo de discriminação deve ser repudiada, afirmo com todas as letras:
- Eu sou igual a ninguém; sou diferente!

quinta-feira, 15 de março de 2012

EU QUERO A VAGA DA MINHA FILHA DE VOLTA!

Texto de Aloisio Guimarães

Para início de conversa quero deixar bem claro que toda a minha formação educacional foi fruto da escola pública e que tenho plena consciência de que o dinheiro que mantém as universidades públicas vem dos impostos que pagamos e que são muitos e pesados! Sem esse dinheiro (nosso), elas não existiriam.
Estudei em escola publica no tempo em que era uma escola eficiente e equipada, com professores bem remunerados e dedicados. Hoje, se o próprio governo, gestor do sistema, reconhece a escola pública como deficitária, nada mais nos resta senão o sacrifício e a matrícula dos nossos filhos na escola particular!
Tenho uma filha...
A minha filha não é afrodescendente, não é índia, não é quilombola, não é lésbica (assim imagino, mas mesmo que fosse, continuaria sendo a minha filha e amada da mesma forma), não é deficiente físico, não é sem-terra, não é sem-teto... Enfim, ela não pertence a nenhuma das classes chamadas de “minorias”.
É revoltante constatar que, para muitos defensores das "minorias", ela tem um grave defeito: é branca e inteligente!
E por causa deste "gravíssimo" defeito, mesmo seus pais contribuindo (compulsoriamente) para existência e manutenção das universidades públicas, a cada dia que passa, estão dificultando o seu ingresso a esta mesma universidade que também é sustentada, por que não dizer, com o dinheiro dela!
As vagas nas universidades públicas ao invés de serem destinadas para todos aqueles com potencial para efetivamente prestarem serviços ao país, independente de qualquer coisa, estão sendo utilizadas como instrumento de politicagem, reservadas para determinadas categorias de brasileiros, em nome de uma suposta “dívida histórica” do país para com eles!
Inconscientemente (ou por maldade) estão criando dois tipos de profissionais: os "cotistas" e os "não cotistas". Queiram ou não, no futuro, haverá essa discriminação! E quem mais vai perder com isso serão aqueles que, mesmo enquadrados nas “minorias”, entraram ou tinham condições de entrar na universidade por merecimento.
Ao invés de exigirem um ensino médio de qualidade, as “lideranças” dessas minorias contribuem para que tenhamos, em curto prazo, um ensino superior de péssima qualidade, com as mazelas dos ensinos básico e fundamental. Eles sempre deixam transparecer nas suas declarações que os beneficiados pelo Sistema de Cotas são verdadeiros “coitadinhos”, incapazes de alcançar algo por merecimento próprio, a não ser com o empurrão do governo!
Tenho certeza de que muitos possíveis beneficiários concordam que o Sistema de Cotas é discriminatório e procuram não utilizá-lo porque são pessoas inteligentes e capazes.
Vamos fazer um exercício de futurologia?
Vamos supor que o filho que você mais ama adoeça gravemente. Na sua cidade só existem dois médicos capazes de salvar a vida de seu filho. A única informação que você tem deles, e nada mais do que isso, é que um entrou na universidade por merecimento (sem reserva de vagas) e o outro entrou beneficiado pelo Sistema de Cotas. Sinceramente, não seja hipócrita, responda:
- Qual é, dos dois médicos, aquele que você vai procurar para confiar a vida do seu filho?
Se depois de tudo você continuar achando que estou errado, então quero sugerir, para o aprimoramento da "coisa", que você exija do governo a implantação das seguintes medidas complementares:
1. MERENDA UNIVERSITÁRIA
Ora, se os alunos da escola pública têm Merenda Escolar, fazendo com que muitos deles frequentem a escola muito mais para se alimentar do que estudar/aprender e como eles têm vagas garantidas por cota nas universidades, é imperativa a criação de algo semelhante para continuar alimentando-os, combatendo a evasão escolar, agora como sendo "evasão universitária".
2. CONSELHO DE CLASSE UNIVERSITÁRIO
Se praticamente é proibida reprovação de alunos neste país, o Conselho de Classe Universitário também deve ser instituído, para barrar a maldade daqueles professores universitários que forem mais exigentes e pensarem em reprovação. Afinal, a demanda é grande e ninguém pode ficar marcando passo na universidade, tomando o lugar de outros que querem entrar.
3. TRANSPORTE ESCOLAR UNIVERSITÁRIO
O Campus Universitário, geralmente, é afastado dos centros urbanos. Logo, requer gastos substanciais com passagens. O governo deve e tem a obrigação de fornecer também os meios para que os alunos pobres possam frequentar a universidade. Será mais uma medida de combate à evasão escolar universitária.
4. BOLSA-DOUTOR
Como os livros universitários são caros, é necessário permitir aos alunos pobres, o acesso aos mesmos, para que sejam bons profissionais. Assim, a Bolsa-Doutor, a custo zero para o aluno que não faltar às aulas, será uma medida que deve e tem que ser implantada.
5. BOLSA-EMPREGO
Emenda proposta pelo ilustre Prof. Audemaro Araújo: "Terão direito a 2 Salários Mínimos todos aqueles que entraram beneficiados por cotas e que conseguiram se formar, pois, afinal, não podem ficar desempregados. Ao contrário do Crédito Escolar, o pagamento aqui é no Dia de São Nunca"!
Lamento que, aqui em Alagoas, a coisa ficou pior do que já estava:
                                      a UFAL aderiu ao ENEM e ao SISU!
Com isto, a concorrência, que já era grande, ficou nacional! As vagas daqueles cursos mais valorizados (Medicina, Odontologia...) passaram a ser preenchidas por estudantes de outros estados, com outra visão de ensino. Para nossos filhos, restam apenas as vagas dos desistentes, o que é humilhante e vergonhoso!
Finalmente, compartilho da ideia de que raça e cor da pele de um ser humano não pode ser motivo para discriminá-lo, da mesma forma que não pode ser razão para que ele obtenha qualquer vantagem sobre os outros.
Por tudo isso, eu quero a vaga da minha filha de volta!

sábado, 10 de março de 2012

"CTRL + C", "CTRL + V"

Texto de Aloisio Guimarães

Hoje em dia, mostrar-se culto, sem o ser, é muito fácil; é muito mais fácil do que empurrar bêbado ladeira abaixo!
Por exemplo, basta acessar o site de busca Google, pesquisar sobre uma palavra, usar as combinações das teclas “CTRL + C” (copiar) e  depois “CTRL + V” (colar), que o "seu" texto é criado facilmente e capaz de enganar aos menos desavisados. E assim, através deste simples "procedimento mecânico" é possível alguém escrever livros inteiros, sem o mínimo "conhecimento de causa" e sem ao menos ler um parágrafo daquilo que "escreveu", sobre os mais variados assuntos: Filosofia, Engenharia, Música, Cinema, Medicina...
Pelo que soube, já existem no Brasil diversos sites que vendem TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), Tese de Mestrado, Doutorado... É só você escolher tema, ou tese, e pagar, que eles remetem o material, "todo prontinho", para a sua casa. É batata!
- Será que, hoje em dia, é possível conhecer o mundo sem sair de casa?
É claro que sim! E de maneira fácil demais: é só acessar o Google Earth. Qualquer um, através desta ferramenta, podem se passar por uma pessoa “viajada”, capaz de reproduzir, nos mínimos detalhes, uma casa, uma rua, uma cidade, porque o Google Earth mostra cada recanto do mundo como ele realmente é, como se a pessoa estivesse no local. Deste modo, infelizmente, qualquer pessoa pode deixar transparecer conhecer o mundo, quando muitos nem conhece a si próprio!
Na minha juventude não existia televisão, computador, celular... A geladeira, por exemplo, além de funcionar movida a querosene, era “coisa de rico”. Quando muito, a classe média tinha um rádio, que funcionava com válvulas, coisa que muita gente, hoje, nem sabe o que é isso.
O nosso universo cultural ficava restrito às revistas, que chegavam com semanas de atraso (para quem podia comprá-las); aos livros escolares, à coleção Tesouro da Juventude (a maior “enciclopédia” da época) e às Edições de Ouro, famosos livretos de bolsos, que contribuíram, limitadamente, é verdade, para a cultura de milhões de brasileiros.
Mesmo assim, com todas as dificuldades que tivemos, prefiro a cultura das Edições de Ouro, porque foi adquirida através da leitura do que a muitas culturas do “CTRL + C” e “CTRL + V”, que são verdadeiros plágios, muitos deles cheios de erros grosseiros de português (concordância/sintaxe, pontuação) e quem faz a cópia nem ao menos tem o trabalho de usar as correções sugeridas pelo Word.
Sei que cometo muitos erros (minha filha que o diga), mas, a cada dia que passa, procuro aprender e a corrigi-los.
A minha cultura, embora diminuta, é autêntica, sem “CTRL + C” e “CTRL + V”.
É por tudo isso que eu acho que vocês, pais, deveriam exigir que os trabalhos escolares dos seus filhos fossem feitos à mão, pois assim teriam a certeza de que eles, indiretamente, iam ler o que fizeram, possibilitando aprender alguma coisa.
Se vocês não estiver vigilantes, atento à educação do seu filho, "pelo andar da carruagem", tenha muito cuidado quando forem dizer:
- O meu filho só tira dez!
Porque, um belo dia, a realidade chega e vocês "caem do cavalo", ou melhor, do ENEM!

quarta-feira, 7 de março de 2012

TAPIOCA COM CHICLETE

Texto de Aloisio Guimarães

A tapioca é uma "iguaria" tipicamente nordestina.
- É feita com a fécula extraída da mandioca, peneirada (após ter sido colocada de "molho") e depois assada, em forno ou frigideira, e recheada com raspa de coco.
Esta é a receita da verdadeira tapioca. Barata e fácil de fazer! Como dizemos por aqui:
- Qualquer “minino buchudo” sabe fazer tapioca!
Com a explosão do turismo no nordeste, surgiram por aqui as “tapioqueiras profissionais”. Nada contra o exercício da profissão. O que me deixa revoltado é que, para atrair a freguesia de turistas incautos, algumas alagoanas estão até se vestindo de baiana, renegando sua terra e como se a tapioca fosse uma comida de exclusividade baiana. Com certeza, muitas delas não sabem nem aonde fica a Bahia!
Se tudo isso não bastasse, como dizem lá no interior, “além da queda, o coice”: estão matando a nossa cultura, fazendo as mais bizarras tapiocas, com recheio de leite condensado, banana, charque, carne seca, doce de leite, goiabada, camarão, mostarda... E, ainda por cima, cobram “os olhos da cara” por algo que não vale a metade do que recebem!
Na orla de Maceió, com o que se paga por uma tapioca, do tipo "tradicional", como elas chamam (goma e coco), dá para comprar ingredientes para fazer, em casa, uma dezena delas.
O grande Jackson do Pandeiro, para criticar a influência americana e na defesa da nossa cultura, sabiamente, disse em um dos seus maiores sucesso que “misturava chiclete com banana”.
As “nossas” tapioqueiras, para fazer justamente o contrário, um dia farão “tapioca com chiclete”!
Pouquíssimas foram as vezes que me atrevi a pagar tão caro por algo que vale muito pouco. Nestas oportunidades, o que mais me irrita é a pergunta de praxe, proferida pelas tapioqueiras:
- O senhor quer tapioca de quê?
"Puto da vida", respondo, curto e grosso:
- Minha filha, eu só conheço tapioca de coco; o resto é invenção de vocês para “pegar” turistas!
Não sei por que, mas elas não gostam muito da minha resposta...
 

terça-feira, 6 de março de 2012

PREFEITOS DE PALMEIRA DOS ÍNDIOS

Texto de Aloisio Guimarães
 Aceitamos correção



Albérico Cordeiro da Silva (2 vezes)
Capitão Afonso de Carvalho
Enéas Simplício do Nascimento
Francisco Cavalcante
Gileno Costa Sampaio
Graciliano Ramos de Oliveira
José Helenildo Ribeiro Monteiro (2 vezes)
James (Ribeiro) Sampaio Calado Monteiro (2 vezes)
José Rodrigues de Araújo
José Pinto de Barros
José Jota Duarte Marques (2 vezes)
Júlio Cezar da Silva (atual prefeito)

Manoel (Juca) Sampaio Luz
Lauro de Almeida
Luiz Pinto de Andrade (1° Prefeito)
Manoel Passos
Maria José de Carvalho Nascimento
Minervo Fernandes Pimentel
Pedro Soares da Mota
Robson Tavares Mendes
Salustiano Veríssimo de Souza Barros
CURIOSIDADES

Luiz Pinto de Andrade/José Pinto de Barros (pai/filho)
Juca Sampaio/Gileno Sampaio (pai/filho)
Enéas Simplicio/Maria José do Nascimento (irmãos)
Helenildo Ribeiro/James Ribeiro (pai/filho)

domingo, 4 de março de 2012

A COPA DO MUNDO NÃO É NOSSA!

Texto de Aloisio Guimarães

Tão logo terminaram os Jogos Pan-americanos no Rio de Janeiro, começaram a falar na instalação de uma CPI para apurar as irregularidades nas obras de construção dos estádios, principalmente, superfaturamento.
Como sempre, ficou o dito pelo não dito; tudo terminou em pizza. O engraçado é que, se foi denúncia vazia, por que ninguém foi processado por manchar a honra de alguém? Muito interessante...
Agora, o Brasil começa a se preparar para sediar a Copa do Mundo de Futebol em 2014.
Serão construídos, entre outras “besteirinhas”, 12 estádios de futebol (chamados de “Arena”), sem falar em metrô, aeroportos, estradas, etc., etc., etc...
Começaram dizendo que não seria gasto nenhum dinheiro público. Mas, o que vimos agora é que bilhões de reais do dinheiro do povo estão sendo gastos na construção desses campos de futebol! É o dinheiro que faz falta à saúde, à educação, à segurança pública...
E o povo acha normal! Esquece que seus filhos morrem por falta de atendimento médico e pela falta de leitos nos hospitais; esquece que dorme em filas, na tentativa de matricular seus filhos, por falta de escolas; esquece que na escola que seu filho estuda falta tudo, desde giz a professor; esquece que é assaltado todos os dias, por falta de investimento na segurança pública; esquece que seus filhos são assassinados porque querem lhe roubar a porcaria de um celular; esquecem... Simplesmente, esquecem!
Tem muito gente pensando que vai assistir aos jogos da Copa do Mundo e não vai. A Copa do Mundo é um evento feito exclusivamente para turistas e com os ingressos caríssimos, onde a maioria deles, e os melhores lugares, é destinado para os patrocinadores (grandes empresas). Para o “povão”, restarão os piores lugares, a não ser naqueles jogos inexpressivos tipo Afeganistão x Cazaquistão.
Não precisa ser mágico para adivinhar que, no dia seguinte ao jogo final, políticos e imprensa estarão falando em criação de CPI para apurar as irregularidades cometidas na preparação do evento. Se for para terminar igual ao que “não” foi apurado no Pan, quero avisar que estou de “saco cheio” dessa ladainha que fazem, tão somente para “virar notícia e aparecer na mídia”, tentando crescer politicamente!
- E você, “Zé Povinho”, depois não venha reclamar dos políticos por tudo de ruim que lhe acontece e/ou pelo que lhe falta, porque você aceita, calado, a troca de tudo que precisa por um campo de futebol.
Mesmo fanático por futebol, eu prefiro educação, saúde, segurança...
Por outro lado, a FIFA está conseguindo jogar a soberania nacional para escanteio, impondo exigências contrárias à nossa legislação, na tal Lei Geral da Copa. Entre outras coisas, vai conseguir liberar o consumo bebidas nos estádios, esquecendo-se da existência, por exemplo, dos “Hooligans” (ingleses) e dos “Barra bravas” (argentinos), que bebem e fazem verdadeira badernas em qualquer país aonde vão.
Ontem, 2 de março de 2012, o petulante secretário-geral da FIFA, Jérôme Valcke, fez declarações ofensivas à soberania nacional, dizendo que os organizadores da Copa precisavam “levar um chute na bunda” e “reclamou”  na demora da aprovação da tal Lei Geral da Copa, que ele está impondo ao Congresso Nacional, humilhando a todos os brasileiros que possuem vergonha na cara!
É o fim da picada!
Como se vê, a Copa do Mundo não é nossa, é da FIFA!
E ela manda, desmanda e todo mundo obedece!
 

quinta-feira, 1 de março de 2012

LADRÕES

Texto de Aloisio Guimarães

Certa ocasião, viajando para o interior do nosso estado, presenciei uma cena forte que me deixou muito triste, indignado e revoltado: uma carreta (jamanta), carregada de mortadela estava tombada à beira da estrada e a sua carga estava sendo saqueada por dezenas de pessoas.
O que me entristeceu profundamente foi que o caminhoneiro ainda estava preso às ferragens e ninguém estava dando a mínima, preocupados apenas em saquear a carga.
O que me indignou foi presenciar pessoas que desciam de suas Hilux's, para também participarem do saque e voltavam para seus carros, com olhar e sorriso triunfantes, abraçadas a 3 ou 4 “extintores” de mortadelas!
O que me revoltou foi, à noite, assistindo o noticiário da TV local, ao relatar o desastre, a repórter anunciou que "a carga tinha sido saqueada pela população"!
- População?!
População é povo; sou povo e não sou ladrão!
A população ordeira não saqueia e não rouba; quem faz isto tem adjetivo próprio: LADRÃO!
Por favor, senhores jornalistas e blogueiros, não confundam a população com ladrões, vândalos, saqueadores...
Aliás, a grande maioria daqueles que fazem a mídia não sabe distinguir, por desconhecimento, o que é Furto, Roubo e Assalto, tipos de crimes completamente diferentes e que estão sendo definidas todas como "Assalto" (sic)!
Por estas e outras é que defendo a exigência de diploma para o exercício da profissão!